Semana do Municipalismo: Restos a Pagar estão na pauta da campanha Viva Seu Município

Começou nesta segunda-feira (22/2) a Semana Municipalista. Mais uma vez, gestores municipais de todo o País se unem para lutar por melhores condições financeiras. Por meio da campanha Viva seu Município,  temas importantes para a luta municipalista são trazidos ao debate.  Nos próximos dias a Rede vai divulgar cada um desses temas que pautam a campanha. O primeiro deles trata dos Restos a Pagar. Para acessar toda a pauta, clique aqui. Compartilhe as as informações com o seu município!

Restos a pagar (RAP)

post_RAP

 

O problema dos Restos a Pagar (RAPs) tem tomado uma proporção tão grande nos últimos anos que coloca em risco de descrédito generalizado o investimento público no país. Grande parte das prefeituras, buscando cumprir a palavra dada a sua comunidade e crendo no pagamento por parte da União, efetiva obras e projetos que são inseridos em RAP e representam um prejuízo aos cofres municipais.

O montante de RAP que o governo federal deve aos Municípios chegou ao acumulado de R$ 43,1 bilhões em dezembro de 2015. Deste montante, R$ 40,4 bilhões está inscrito em RAP não processados e o restante, os R$ 2,7 bilhões, são de RAP processados.

Além disso, a publicação do Decreto nº 8.407/2015 estabeleceu prazo para fazer uma avaliação dos RAP, podendo cancelar aqueles que estão classificados como não processados. Apenas os RAP do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Ministério da Saúde, dos Programas de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE) do Ministério da Educação e os de emendas parlamentares do Orçamento Impositivo de 2014 não precisam passar por esta reavaliação e, portanto, não correm risco de cancelamento. O prazo estabelecido no Decreto está prorrogado até 29 de fevereiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Evento
Publicações
Campanha
Vídeo

© 2015-2017. Confederação Nacional de Municípios. Todo conteúdo do site pode ser reproduzido, desde que citada a fonte. | Portal CNM